Uma Experiência Com Imã

Talvez você já tenha lido outros textos relacionados ao magnetismo humano, e acha um pouco fantasiosa a afirmação de que as energias humanas, ao se tocarem, imediata e automaticamente se identificam e interagem sempre de duas maneiras, a realidade é mesmo essa, vamos citar apenas dois exemplos:

1 – Se forem de teores vibratórios-morais semelhantes, será melhor ainda se forem idênticos, elas mutuamente se atrairão.

2 – Se forem de teores vibratórios-morais diferentes, será pior ainda se forem opostos, elas mutuamente se repelirão.

Então, para lembrar o que você mesmo sabe, com o magnetismo do imã, cuja lei é exatamente inversa à do magnetismo humano, você pode sentir, em seus próprios dedos, esse fenômeno de mútua e imediata identificação e interação das energias, você pode tirar toda sua dúvida fazendo uma experiência, é muito rápida, simples e mais fácil ainda, em duas partes:

A primeira parte consiste em aproximar dois imãs de pólos iguais, ou seja, pólo positivo com pólo positivo, ou pólo negativo com pólo negativo, você sentirá que antes de se tocarem e a partir de uma determinada distância, eles mutuamente se repelirão porque se identificaram como vibratoriamente idênticos, nesta experiência você terá a nítida sensação de que uma mola invisível impede a aproximação dos dois imãs, se você forçar, poderá obrigar os dois imãs a ficarem juntos, mas, assim que você parar de forçar, cada imã empurrará o outro para longe.

A segunda parte consiste em aproximar dois imãs de pólos diferentes, ou seja, pólo positivo com pólo negativo, você sentirá que mesmo antes de se tocarem e a partir de uma determinada distância, eles mutuamente se atrairão porque se identificaram como vibratoriamente opostos, e se você não impedir, os dois imãs se juntarão e ficarão colados para sempre.

Um detalhe importante é que a lei que rege o magnetismo humano, onde os semelhantes se atraem e opostos se repelem, é o inverso da lei que rege o magnetismo do imã, onde os semelhantes se repelem e os opostos se atraem.